QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Mais uma ocupação da FIST resiste!


A Ocupação Revolta da Balaiada, recentemente filiada a FIST (Frente Internacionalista dos Sem-Teto), esta sob constante ameaça de despejo! Isso tudo porque os representantes da Prefeitura do Rio, de Eduardo Paes, e alguns moradores do bairro do Cosme Velho, bairro nobre onde esta situada a ocupação, não querem perder capital para especulação imobiliária em detrimento das famílias que já vivem na ocupação! Mais outro ataque dos empresários e da prefeitura. Como ainda há risco de despejo, nós do Coletivo Lenin convocamos os companheiros dos movimentos sociais do Rio a ajudarem na manutenção dos ocupantes da FIST, assim como fizemos em solidariedade à ocupação Aldeia Maracanã!

A seguir reproduzimos a nota da FIST:

"A ocupação Revolta da Balaiada, agora filiada à FIST, está localizada no Largo do Boticário, 22, Cosme Velho, imóvel tombado pelo patrimônio histórico, lugar nobre da zona sul. Moram ali 15 famílias, com idosos, um deficiente físico e crianças. No sábado último, o policial militar Couto e mais um, depois das 21 horas, e, de forma truculenta, arrebentaram o cadeado do portão, roubaram a corrente e invadiram o imóvel, apontando armas para as cabeças dos ocupantes, ameaçando a todos, dizendo que iam sair por bem ou por mal. Os moradores resistiram à retirada, já que tem documentos judiciais que lhe facultam permanecer no local até o final do julgamento processual, que tramita na 10ª Vara Cível e fizeram registro de ocorrência na 9ª Delegacia de Polícia.

Um representante da prefeitura, Washington Fajardo, Secretário de Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design, chegou quarenta minutos depois da polícia militar, acompanhado de muitos guardas municipais, tentando coagir os moradores para deixarem o lugar e querendo entrar no local para, segundo ele, ver as condições em que se encontra o imóvel, coisa que nunca fez em muitos anos de abandono. Há mais de um ano, o lugar se encontrava em completo abandono, inservível para moradia quando eles lá se instalaram e promoveram melhorias.

O advogado da FIST, André de Paula, foi chamado às pressas e na segunda-feira, prestou depoimento na 9ª DP denunciando a criminosa ação da PM e dará entrada com denúncia contra a ação dos policiais militares na própria corporação.

A seguir reproduzimos a nota emitida pelo SINDSCOPE (Sindicato dos Servidores do Colégio Pedro II):

No dia 23 de fevereiro 15 famílias apresentaram-se publicamente após 12 meses e dois dias de ocupação do velho casarão de número 22 no Largo do Boticário, Cosme Velho. O imóvel, que havia sido ocupado em 2005, só não está hoje em piores condições graças à manutenção dada pelos ocupantes nos últimos meses. Vale dizer que o conjunto arquitetônico, antes abandonado, tem enorme interesse histórico e patrimonial. Os ocupantes entendem tal significado e já nos primeiros momentos da publicidade da ocupação manifestaram a intensão de ser ali, também, um espaço de preservação cultural. Dizem que vão fazer, com o auxílio dos sindicatos e aliados dos movimentos sociais, o que a prefeitura do Rio e INEPAC não fizeram nestes últimos anos. As famílias fazem parte da Frente Internacionalista dos Sem-Teto (FIST) e no momento estão formalizando a sua presença permitindo, aos seus aliados, o ingresso no espaço, desde que previamente agendado. No que diz respeito ao campo jurídico, já há uma ação de manutenção de posse na 10ª Vara Cível em favor dos ocupantes. Maiores informações: André de Paula 96067119."
Leia mais!

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Relato sobre o ato contra a demissão do companheiro Messias pela CEF, terça-feira (19/02), escrito por ele mesmo


Pessoal, conseguimos dar conta de nossa tarefa a contento. O Ato na SR Osasco da CAIXA, foi reconhecido por tod@s como tendo sido muito bom. Reunimos em torno de 40 pessoas. Dirigentes, estudantes, professores, ativistas, bancários da base, militantes do movimento popular, delegados sindicais, cipeiros. De várias Correntes e setores, uma pluralidade boa. A coleta das assinaturas, a presença de clientes, usuários e transeuntes, trouxe volume ao ato e interação maior com o público. Bem documentado.

Aos 45 do segundo tempo, o Seeb-SP e APCEF, resolveram manter o acordado [eles tinham feito várias críticas, dizendo que fazer o ato poderia passar pra direção da Caixa a ideia de confronto, nota do Coletivo Lênin], e participaram com material e interviram.

Peço desculpas aos participantes, pois em alguns momentos, tive que sair por questões de infra, pois era meio-feriado em Osasco (parte do comércio fechada, industria também e ponto facultativo, menos feriado bancário, outra briga nossa) e tivemos alguns entraves, mas nada impeditivo. Com boas intervenções do pessoal, vendemos bem o nosso peixe. Hoje haverá negociação da CEE com a CAIXA para discutir assuntos com promoção por mérito, critérios de descomissionamentos, etc. Temos informações de que o nosso assunto poderá ser discutido. Também haverá reunião do Comando da Contraf e veremos se colocamos proposta para Contraf também assumir, o que traria peso (sugestão do Wilson do Mnob).

Enfim, penso que deveríamos nos reunir para avaliarmos o já realizado e vermos próximos passos. Penso também como vari@s Comp@s , que precisamos fazer uma reflexão mais precisa sobre os ataques de caráter sistêmico que O Movimento de conjunto vem sofrendo e vermos o que e como construir na prática a nossa resistência de forma mais ampla e preventiva. Para pensarmos.
Hoje deverei estar em contato com o jurídico para provável entrega do recurso amanhã.

Peço pra galera complementar o informe.

Estamos tod@s de parabéns, os que participaram e os comp@s que não puderam vir, mas que sabemos, estão fechados conosco.

Valeu!.
Messias.
“O povo unido é povo forte, não teme a luta nem teme a morte”.
Leia mais!

Lutar não é crime! Assine a nota contra a repressão e perseguição política aos estudantes da USP


Nessa terça-feira, dia 5 de fevereiro, o Ministério Público denunciou 72 estudantes pela ocupação da Reitoria da USP, no final de 2011. Os estudantes são acusados de dano ao patrimônio público, dano ambiental (pichação), descumprimento de ordem judicial e formação de quadrilha (!), correndo o risco de pegarem até 8 anos de prisão. Após o fim dos processos administrativos internos à universidade, em que foram definidas penas brandas, mas ainda injustas, o Movimento Estudantil acordou de sobressalto à mais esse ataque da reitoria.
 
Milhares de estudantes se colocaram contra o convênio assinado entre a Reitoria da Universidade de São Paulo e a Policia Militar, imposto de maneira antidemocrática à comunidade universitária. Em virtude disso, estudantes e funcionários ocuparam a reitoria da Universidade como forma de protesto. Tal resultou em uma violenta desocupação, que mobilizou cerca de 400 policiais – entre eles a Tropa de Choque e a cavalaria da PM, na autuação e prisão de todos e casos de agressão e abuso de poder por parte da polícia. Vale lembrar ainda que as atuais denúncias de depredação do patrimônio público, impetradas ao ocupantes, são de caráter extremamente duvidoso: a vistoria do local após a desocupação fora feita a portas fechadas pela polícia, e quando de sua abertura para a imprensa o local se encontrava destruído, em estado forjado do que haviam deixado os estudantes no momento de saída.
A partir disso, um resgate histórico é necessário: a última vez que a PM havia invadido a USP tão massivamente fora na desocupação do CRUSP na década de 60, período em que vigorou a ditadura militar no Brasil. Hoje, o sucateamento das instituições públicas, em quase 20 anos de governo do PSDB é silenciado pelo governo sob a pena de punição criminal. Semelhanças não são meras coincidências e nos levam a questionar profundamente o caráter na democracia que vivemos, em que a manifestação e organização políticas são tolhidas e taxadas como formação de quadrilha.
 
Com essa medida, a reitoria da USP só faz reproduzir a política orquestrada pelo Governo do Estado de São Paulo de criminalização dos movimentos sociais, repetindo-a internamente à USP. A partir de todos esses elementos, nos colocamos ao lado dos estudantes e funcionários processados e do histórico combativo do movimento estudantil da USP, e manifestamos repúdio a qualquer repressão à organização política, na defesa do direito democrático de livre manifestação.
 
Contra o processo do Ministério Público!
Contra a reitoria autoritária de Rodas e do Governo do Estado!
Pela imediata democratização da USP e retirada dos processos!
Lutar não é crime!Contra a criminalização dos movimentos sociais!
 
Texto escrito pelo CAHIS da USP

Subscrevem este apoio:
Espaço Socialista
Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de São Paulo – SINTRAJUD
Revista Crítica do Direito
Unidade Pela Luta – Grupo de Trabalhadores do Funcionalismo Público de Santo André
Subsede da Apeoesp de Santo André
Movimento Mulheres em Luta ABC
Coletivo Lênin
 
Veja mais apoios e materiais no Blog dos Processados da USP
Leia mais!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Materiais de divulgação para o dia internacional da mulher


Os companheiros do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (SIMPA) nos enviaram esses materiais sobre a questão da mulher, para serem usados pra divulgação por email ou redes sociais, durante a preparação dos atos.

E ainda informam que o ato em Porto Alegre será no Largo Glênio Peres, às 17h do dia 08/03.






Leia mais!

Onda de desocupações em todo o Brasil!

Foto: Charge para o Mtst Trabalhadores Sem Teto: Agnelo, o Negociador!

NOVO PINHEIRINHO DE BRASÍLIA PREPARA RESISTÊNCIA AO DESPEJO http://www.mtst.org/index.php/inicio/496-novo-pinheirinho-de-brasilia-prepara-resistencia-ao-despejo.html


Nos últimos dias, os governos têm feito uma onda de despejos de ocupações gigantesca, já preparando o cenário para a Copa do Mundo, no ano que vem. Vamos repassar aqui só alguns dos informes, e os companheiros que estiverem envolvidos em outros processos de luta podem mandar as informações para a gente. Diante dessa situação, não existe outra opção além da solidariedade sindical-popular-estudantil para resistir!


1) Novo Pinheirinho/Taguatinga

Aqui está o informe mais recente do MTST.


2) Che Guevara/Messias/AL

Fonte: Movimento Terra Livre

MESSIAS A NOVA PINHEIRINHO DO BRASIL

Trezentas famílias que ocupavam desde 2008 um terreno nas margens da BR-101, de propriedade da prefeitura de Messias foram despejadas neste 18 de fevereiro de 2013. A ação repressiva contou com a presença de mais de 350 policiais da Força Nacional, BOPE, Cavalaria, Policia montada. Polícia civil, criminalística, Bombeiros, Helicopteros, Ambulâncias etc. Verdadeiro arsenal de guerra foi elaborada para a reprimir jovens, velhos, crianças e mulheres. Foi realizada ação de isolamento da BR e de toda area, em que foram impedidos de circular a imprensa e qualquer pessoa, a comunidade foi isolada e ninguém podia sair ou entrar, documentar ou filmar. Trabalhadores foram espancados, surrados e violentados, lideranças foram presas, entre elas um dos lider do Movimento Terra Livre, outros tiveram que fugir do local. Todas as casas foram derrubadas, móveis e mobilas foram destruidas pelos tratadores, caterpillar, retroescavadeiras. A ameça pairou sobre todas as cabeças e continua na região.
O efetivo papel do Estado burguês mostrou sua cara, numa ação conjunta dos poderes executivo e judicial, que usou seu braço repressivo para espalhar terror e pânico na região. A disposição das lideranças dos movimentos Terra Livre e Liga dos Camponeses pobres para negociar com os representantes do Estado de nada adiantou. Todos estão literalmente na rua neste momento, nenhuma assistência foi garantida. A prefeitura ofereceu somente um galpão aberto e abandonado para guardar provisoriamente o que restou dos móveis de algumas familias, desde que fosse naturais da cidade de Messias. Os demais devem retornar a suas cidades de origem. A ordem é dispensar o movimento dos sem-teto. A ação repressiva do Estado teve como propósito acabar com qualquer possibilidade de resistência e impedir futuras organizações.
Desde modo o Governador Teotônio Vilela (PSDB), o prefeito Jarbas Omena (PSDB) e o juiz da cidade são os efetivos responsáveis por toda ação violenta. O processo de reintegração de posse levado pela Prefeitura através da intervenção do governo do estado no nome do secretário de Articulação Social, Claudionor Araújo, tem como propósito instaurar na área um novo pólo industrial, apesar de este terreno nunca ter sido usado e o governo do estado somente agora revelar interesse pelo mesmo.
O governo do Estado e a prefeitura de Messias são as representações na cena política do carater mentiroso e covarde da burguesia, que não tem palavra e não tem moral. Eles estão dispostoos a oferecer tudo ao capitalistas e os usineiros e somente miseria e fome para os trabalhadores sem-teto e os trablhadores do campo e da cidade. Ao invés de assegurar o compromisso de retirada da comunidade somente quando fossem construídas as novas moradias populares para as famílias em outra área, como concordado nas negociações na Prefeitura e junto dos representantes do Governo do Estado.
É importante que estudantes, trabalhadores, operários, denunciem a nova Pinheirinho do Brasil. Abaixo à repressão e à criminalização dos movimentos sociais. Vejam um pedacinho da violência no endereço abaixo.
 
 
3) Parque Cocaia/SP
 
 
 
4) Dandara/MG
 
Fonte: Brigadas Populares
 
 
 
Leia mais!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Ameaça de despejo da ocupação Novo Pinheirinho (DF) nas próximas horas!


Fonte: MTST

Os companheiros do MTST estão sofrendo ameaça de despejo a qualquer momento. A ocupação Novo Pinheirinho tem esse nome em homenagem ao Pinheirinho, covardemente destruído ano passado pelo governo Alkmin (PSDB) e com a omissão do governo federal (PT). Precisamos de toda a solidariedade material e política com os companheiros.  Acompanhem pelo site dos companheiros e pelo perfil deles no facebook as notícias.
Leia mais!

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Aldeia Maracanã: mais um dia, mais uma vitória


Diversas lutas têm sido realizadas no Estado do Rio de Janeiro em defesa do direito de uma das comunidades indígenas terem seu direito de morar e preservar o mínimo de sua cultura.
 
A população indígena sofre com preconceitos e ataques de todo o tipo, como minoria oprimida por um Estado que só pensa em excluir os pobres da cidade para os megaeventos, e garantir mais lucros pros banqueiros e Eike Batistas da vida.
 
O papel da mídia é lamentável, mas não poderemos dizer nunca que é surpreendente. É apenas mais um braço dos ricos para legitimar a política criminosa desse Estado encabeçado por Cabral e Paes, e sempre assim será enquanto as próprias emissoras de informação forem empresas e responderem somente a interesses de empresas.
 
A rede Globo chegou ao ponto de inventar a mentira, a partir do nada, que estavam sendo vendidas drogas na ocupação Aldeia Maracanã. É mais um exemplo do papel dessa corporação corrupta e caluniadora que é a mídia burguesa. Até a própria rede Globo, reconhecendo o tamanho da estupidez que tinha feito, fez uma retratação pública, dizendo que somente não era possível confirmar a informação anteriormente divulgada. Veja o link abaixo:
 
 
É de uma cara de pau a postura da mídia, como se simplesmente fazer uma retratação ia retirar o impacto da afirmação inicial. E uma retratação mal feita. Por que esse tipo de mentira não sai na primeira página do jornal O Globo?
 
Apesar das investidas. Apesar dos ataques e calúnias. Apesar do governador do Rio ter afirmado que o prédio da Aldeia Maracanã seria demolido para a construção de um estacionamento feito especialmente para a Copa do Mundo, e que a situação da população indígena não concernia ao Governo. Apesar do cerco realizado pelo batalhão de choque no dia 12 de Janeiro. Apesar disso tudo, algumas vitórias parciais foram alcançadas.
 
- Como já dizemos numa postagem anterior, a mobilização feita para resistir à desocupação conseguiu fazer com que a polícia recuasse e não tentasse a desocupação à força.
 
- A mobilização pela internet foi massiva e a nível internacional. O que sabemos não ser decisivo numa situação como essa, mas que com certeza teve peso e ajudou a vencer o Estado.
 
- Fruto dessas mobilizações, o Governo voltou atrás da demolição, dizendo que o prédio seria incorporado ao patrimônio histórico da cidade, mas é claro, os índios ainda teriam que sair dali.
É claro que, para o Governo, é inadmissível ter uma ocupação indígena ao lado do Estádio de futebol Maracanã em plena copa do mundo. A ideia é passar a visão de uma cidade sem pobres, sem trabalhadores sem teto, sem índios defendendo sua cultura, uma cidade adequada para receber cada vez mais investimentos milionários para encher os bolsos de dinheiro de quem explora e mata a classe trabalhadora do Rio de Janeiro.
 
A mídia agora tenta passar a imagem que os índios parecem intransigentes, pois o bom camarada governador já “mudou de ideia” em relação a demolição. Ninguém diz nada que os índios ainda estão para serem expulsos. Não podemos acreditar nessa mídia safada, que só faz pintar imagens tortas da realidade para tentar voltar a população contra os moradores da Aldeia Maracanã.
 
Nem podemos acreditar nesse governo pilantra, como gostam muito de dizer alguns militantes e parlamentares do PSOL, que falaram que era possível acreditar no que o governo disse nas negociações. 
 
É óbvio que as vitórias até agora só aconteceram por conta da mobilização real contra os crimes desse governo de ricos. Temos que continuar lutando ao lado da comunidade Aldeia Maracanã para que os índios possam decidir o seu destino, sem precisar ficar a mercê da “boa vontade” de nenhum governo corrupto.
 
Aqui está a página do facebook da Aldeia Maracanã, onde podem ser encontrados a agenda de atividade culturais e calendários de luta.
 
 
Fique atento e participe dessa luta. Somos todos Aldeia Maracanã!
 
Leia mais!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Contra a demissão do bancário Messias Américo da Silva, por perseguição política da Caixa!


CARTA ABERTA AOS CLIENTES E USUÁRIOS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL


CAIXA DEMITE O BANCÁRIO MESSIAS AMÉRICO DAS SILVA

 Normalmente, quando tomamos conhecimento de demissão de um bancário por justa causa, imaginamos que o mesmo possa ter cometido algum ato desonesto ou algum procedimento comprometedor de qualquer natureza. Não é o caso.

Bancário a mais de 30 anos (desde 1976), dos quais 23 na CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, o bancário em questão está sendo demitido simplesmente por lutar para que os clientes e usuários da CAIXA tenham melhores condições de atendimento e também pela melhoria nas condições de trabalho e de salários da categoria bancária como um todo.

Vivemos um momento onde os bancos em geral, cada vez mais, buscam aumentar os seus já astronômicos lucros. O cliente além de pagar os juros (nunca baixos) quando contraem empréstimos de qualquer natureza junto às instituições financeiras, sejam elas públicas ou particulares, têm ainda que submeter ao pagamento de tarifas abusivas e adquirir os famosos “produtos” (seguros de todo
tipo, títulos de capitalização, etc, etc). Quanto aos clientes de baixa renda, pequenos poupadores e usuários em geral, estes ainda têm de passar por situações de ridículo apenas para adentrar ao banco, quando conseguem. Ao mesmo tempo, esta forma de relacionamento dos bancos com os cliente e usuários, gera entre os bancários uma rotina massacrante de trabalho. Os bancários e bancárias são submetidos a toda as formas de pressão, assédio moral, humilhações, perseguições, o que lhes traz sérias situações de doenças profissionais, tanto de caráter físico quanto de caráter psicológico/psiquiátrico, algumas irreversíveis.

No caso da CAIXA não é diferente, muito pelo contrário. Hoje o cliente/usuário é literalmente impedido de entrar na agência, inclusive e principalmente se for buscar atendimento ao que é exclusivo da CAIXA, como FGTS, Seguro Desemprego, PIS, Bolsa Família e mesmo para financiamento da casa própria o cliente é obrigado a se dirigir ao correspondente bancário, o que onera em muito o custo final do financiamento, pois o mesmo não é atendido diretamente pela CAIXA. Também é direcionado a pagar suas contas nas Lotéricas, que atuam como agências bancárias e infelizmente oferecem condições precárias de segurança. Existem roubos, tiros, sinistros de toda ordem diariamente e que nem sempre a população toma conhecimento.

Lutar contra este estado de coisas é o que levou o bancário Messias Américo da Silva a ser demitido por justa causa. Não há nada que o desabone quanto à sua honestidade e atitude. E você, cliente e usuário CAIXA (em particular da AG 1608 - B COUTINHO) é pessoa fundamental para que tal
injustiça seja revertida. Importante ressaltar que ainda administrativamente cabe recurso. Todas as alegações da CAIXA foram desmontadas e comprovadamente não existem elementos para punição, mas a CAIXA insiste em demitir. Trata-se, portanto de uma demissão política contra um delegado sindical eleito pelos seus colegas e com anos de luta e combatividade. Você pode contribuir muito para mais esta luta.

NÂO À PERSEGUIÇÃO CONTRA QUEM LUTA PELOS SEUS DIREITOS

NÂO AOS ATAQUES CONTRA A LIVRE ORGANIZAÇÃO DOS TRABALHADORES

PELA REVERSÃO IMEDIATA DA PUNIÇÃO E ARQUIVAMENTO DO INJUSTO PROCESSO

COLETIVO BANCÁRIOS DE BASE
OSASCO, FEVEREIRO DE 2013.
Leia mais!

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES